Causas e Tratamentos da Endometriose

> O que é endometriose?

É uma doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga.

Todos os meses, o endométrio fica mais espesso para que um óvulo fecundado possa se implantar. Quando não há gravidez, esse endométrio que aumentou, descama e é expelido na menstruação. Em alguns casos, parte do sangue migra no sentido oposto e cai nos ovários ou na cavidade abdominal, causando a lesão endometriose.

A endometriose é uma condição debilitante e crônica que afeta aproximadamente 1 em cada 10 mulheres em idade reprodutiva, caracterizada pela presença de partes de tecido endometrial fora do útero.


> O que causa a endometriose?

As causas desse comportamento ainda são desconhecidas, mas se afirmam que as principais são por sistema imunológico deficiente, menstruação retrógrada, e crescimento de células embrionárias. O mais importante a destacar, é o caráter inflamatório dessa patologia, sendo assim medidas para diminuir a inflamação são fundamentais para a prevenção da doença.

Os principais sintomas da endometriose são dor e infertilidade. Aproximadamente 20% das mulheres têm apenas dor, 60% tem dor e infertilidade, e 20% apenas infertilidade. Dois tipos de tratamento podem ser usados para combater as dores da endometriose: medicamentos ou cirurgia.


> Como ocorre a endometriose?

O que é endometriose?
A endometriose ocorre quando além do tecido endometrial ser expelido na menstruação, parte do tecido e células endometriais acabam voltando pelas trompas uterinas, caindo e grudando dentro da pélvis. E nas próximas menstruações, também haverá o sangramento dos tecidos endometriais alojados erroneamente nessas outras partes.

O sangramento desses tecidos durante os períodos de menstruação acabam por provocar as famosas aderências, inflamações e até tumores císticos. As aderências são semelhantes a cicatrizes internas formadas com a inflamação dos tecidos endometriais, e essas cicatrizes fazem com os órgãos se juntem e ocorram compressões e como consequência a mulher sente fortes dores. A doença ocorre na maior parte dos casos em adolescentes ou em mulheres adultas jovens, e por falta de conhecimento e de investigações anteriores, é normalmente descoberta em mulheres de 25 a 30 anos. Existe a crença de que a endometriose esteja relacionada com o câncer, e essas são doenças totalmente diferentes, onde o câncer tende a ser muito mais perigoso, no entanto, a endometriose pode gerar dores bastante desagradáveis e dificuldades para se engravidar. Resumindo, a endometriose não é nada mais que pequenos pedaços do endométrio que saem e vão se localizar anormalmente em toda a parte debaixo do útero.


> Quais os sintomas da endometriose?

O primeiro sintoma da endometriose é a dor pélvica, quase sempre associada ao ciclo menstrual. No entanto, mulheres com endometriose costumam dizer que a dor pélvica, durante o período de menstruação, é muito pior do que o normal e vai aumentando conforme o tempo. Outros sintomas bastante frequentes da doença são:

  • Dismenorreia (dores no período menstrual)
  • Dor no baixo abdômen ou cólicas que podem ocorrer por uma semana ou duas antes da menstruação de forma cíclica
  • Dores nas relações sexuais com penetração
  • Dores ao urinar e evacuar, especialmente no período menstrual
  • Infertilidade
  • Fadiga
  • Diarreia

A intensidade da dor não está relacionada à extensão do problema. Algumas mulheres com doença muito extensa não têm dor alguma, enquanto outras com pequenos focos sentem dor a ponto de necessitarem ir a uma emergência. Além disso, muitas vezes os sinais da endometriose podem ser confundidos com os de outras doenças, por isso é muito importante consultar um médico antes de dar início a qualquer tipo de tratamento.


> Diagnóstico de Endometriose

O diagnóstico de endometriose pode ser feito por meio da descrição dos sintomas, mas pode ser que o médico solicite a realização de alguns exames, a exemplo de:

  • Exame pélvico com toque vaginal e retal, em que o médico investiga a região pélvica da paciente, procurando por anormalidades, como massas ou nódulos nos órgãos reprodutores, intestinais ou nas vias urinárias;
  • Ultrassom: a análise das imagens permite ao médico averiguar se há presença de cistos nos órgãos da região pélvica. O ultrassom com preparo intestinal pode identificar focos profundos da doença;
  • Ressonância magnética: pode detectar, especialmente, a presença de cistos endometrióticos e a endometriose profunda. É um exame que não usa radiação e possibilita um mapeamento completo das lesões da pelve e abdômen;
  • Laparoscopia: seu papel atual é o de opção de tratamento quando já há suspeita. O cirurgião faz uma pequena abertura na região do abdômen e com a ajuda de um laparoscópico, avalia a cavidade pélvica e abdominal à procura de pontos de endométrio ectópico ou endometriomas (cistos de endometriose). Uma vez encontradas lesões suspeitas, ele deve remover todas e enviá-las para análise laboratorial. O resultado do exame indicará se a paciente está com endometriose ou não cada vez menos usada como método diagnóstico devido ao avanço dos exames de imagem. Seu papel atual é muito mais para o tratamento da doença já suspeitada previamente. Uma vez encontrado lesões suspeitas, ele deve remover todas. As amostras do tecido são enviadas para análise laboratorial. O resultado do exame indicará se a paciente tem endometriose ou não.

> Tratamento de Endometriose

As opções de tratamento incluem: medicamentos para controlar a dor e minimizar a progressão da doença, cirurgia para retirar as áreas afetadas pela endometriose, cirurgia radical – histerectomia com retirada dos dois ovários.

O tratamento depende dos seguintes fatores: idade, gravidade dos sintomas, gravidade da doença e se a mulher deseja ter filhos.


> Outras formas:

Uso de anticoncepcionais para a interrupção do ciclo menstrual e a criação de um estado similar à gravidez. Isso é chamado de pseudo gravidez e pode ajudar a impedir que a doença piore. Outros medicamentos que impeçam a produção de estrogênio pelos ovários, conhecidos como agonistas do GnRH. Cirurgias, uma vez confirmado o diagnóstico de endometriose, a laparoscopia pode ser utilizada para o tratamento das lesões. Por ser uma cirurgia minimamente invasiva, mas ao mesmo tempo resolutiva, hoje é a escolha mais comum quando da necessidade de intervenção cirúrgica para o tratamento. Medicamentos para Endometriose, somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento.


> Convivendo com a endometriose:

Tome banhos quentes e utilize bolsas de água quente pois a temperatura da água relaxa a musculatura pélvica, diminuindo a dor.

Faça exercícios regularmente. A prática de atividades físicas ajuda a amenizar os sintomas.

Em caso de muita dor, utilize alguns analgésicos específicos que ajudam na diminuição dela.


> Prevenção

Não há formas de prevenir a endometriose.


> Dúvidas

• Após tratar a endometriose é possível engravidar?
Sim é possível, inclusive existem mulheres com endometriose que engravidaram. Aproximadamente 50% delas apresentam alguma dificuldade para engravidar. Caso não consiga dentro de 6 meses o ideal é procurar um especialista em fertilidade para iniciar algum tratamento.

• A endometriose pode ser detectada por ultrassom?
Em muitos casos sim, mas o ideal seria fazer uma ressonância magnética.